quinta-feira, 16 de abril de 2009

banco alto e uma luneta - capítulo X – o reco-reco dos meus sonhos

moça, moça! Ajude minha mãe, ela está se afogando! Chama ao pé de meu banco alto uma mulher muito nervosa. De pronto, desço e mergulho na piscina funda. Percebo o quão vigorosas e ritmadas estão minhas braçadas. Avisto o alvo. Uma senhora com apenas os olhos e a testa acima da água, pede socorro com as sobrancelhas...
Me aproximo, envolvo um de meus braços em seu pescoço e encaixo a mão debaixo de seu sovaco, ou pelo menos tento, pois meu braço não tem “circunferência” suficiente para envolver tal alvo corpulento. Percebo que o corpanzil da mulher demora a sair do lugar. Com o braço livre, tento repetir as braçadas vigorosas com que rapidamente cheguei ao alvo. Esforço inútil.
Vejo que a mulher respira normalmente e conversa comigo, enquanto evoco todos os poderes de “Grayskull”... Minha filha, ainda bem que você apareceu... por Santa Cecília e Santa Terezinha!! Que seria de mim sem uma salva-vidas como você... Falei com Gláuce que senti hoje pela manhã, que minha coxa parecia mais rija... é a danada da câimbra... POR SANTA EFIGÊNIA! Juro por tudo que há de mais sagrado que como duas bananas amassadas com aveia no café, todo santo dia... Não há potássio que me livre dessa agonia... Santa Maria mãe de Deus que Aristidinho preveniu... Ah, minha Santa Eufrásia que Emília e Didinha também já tinham avisado que esse negócio de piscina e câimbra num se juntam...
Incrível o fôlego de meu alvo! Eu já havia feito todas as técnicas de respiração alta, média, baixa, passando pelas três faixas, estilo cachorrinho e estilo boca e nariz juntos... Graças a todas as santas evocadas por aquela senhora, encosto meus dedos exauridos na borda.
Tento empurrá-la para fora da piscina. Em vão. Move-se três centímetros acima e de volta todo o corpanzil abaixo. Ponho as mãos da senhora segurando na borda e resolvo tentar minha técnica “míssil”. Prendo a respiração e nado até o fundo da piscina. Encosto os pés paralelos no chão, encolho as pernas e vuuuul! Me impulsiono diretamente para as nádegas de meu alvo... Ela, profere um singelo “ui” e continua estática. Eu, dou um grito de horror que se transforma em bolhas embaixo d’água e subo novamente em busca de ar desesperadamente.
Já passô, já passô a danadinha da câimbra... se preferir posso sair sozinha... Diz a senhora já colocando os pés nos estreitos degraus da “pobre” escadinha de alumínio. Faz essa gentileza!, Respondo com certo ar de derrota.
Vejo de longe que a filha abraça a mãe e a seca com uma toalha.
Ainda recobro o fôlego quando a filha se aproxima. Agora, percebo que seu rosto me é familiar. Muito obrigada, você salvou mamãe!, Diz ela me estendendo o braço definido.
Não só o braço é definido e definitivamente capaz de acenar para todo um batalhão da guarda militar, sem que uma balançadinha afete seu humor; mas todo o seu corpo. As pernas parecem coxas peladas e cruas de codornizes, com feixes de músculos saltitando com seus movimentos. A barriga... ah esquece o tanquinho! Falo de um imenso e poderoso reco-reco de pura madeira maciça... minha barriga está mais para cabaça de berimbau... Mas que droga! Quero esse reco-reco pra mim...
Não lembra de mim? Fomos da mesma turma na faculdade de Educação Física... Tá lembrada? Da Universidade Santa Luzia de Lavrinhas... Como um soco no estômago! Obvio que eu me lembrava de Gláuce, só não queria que fosse verdade. Eu, uma totalmente “desmuscularizada” e inteiramente incapaz de dar “tchauzinho”, frente a frente com o meu sonho de consumo... infelizmente sob o poder de Gláuce.
Na época de faculdade, eu tinha músculos definidos tal qual Gláuce. A partir deste exato momento, às onze e vinte e três da manhã, tudo que farei, será em prol de meu corpo perdido.
... O banco alto torna-se um moderno equipamento multifuncional... trabalho bíceps, tríceps, panturrilha e parte interna da coxa... Up, up! É preciso correr, correr e correr ao redor da piscina rasa...
O diretor, Sr Telles, nem pode reclamar, já que meu trabalho está sendo feito. Apenas não desperdiço nem um momento sem me exercitar. Depois de tirar folhinhas e pequenos insetos da piscina com a enorme peneira, aproveito e a utilizo como alteres... Latinhas e garrafas jogadas pelo chão? É pra já! Pernas esticadas, corpo alongado... e um! Já estou próxima à latinha de refrigerante jogada ao chão... e dois! Pego a latinha... e três! Me direciono para a lata de lixo... e quatro! CESTA! Latinha na boca do latão!!
Ai chega... Gláuce que fique com seu reco-reco... Cansei...

Leu?
Assista a seguir, filme de trecho do capítulo

5 comentários:

  1. hahahaha! Muito bom!

    ResponderExcluir
  2. Vcs não deixam cair a bola hein? O texto está maravilhoso e a atriz Luciene Martes tbm é ótima!

    ResponderExcluir
  3. Adorei. Acho que vcs deveriam divulgar mais.
    VG

    ResponderExcluir
  4. Lu, Bravo e Lelê!
    Vocês são ótimos! Um super time.
    Beijos
    Zane

    ResponderExcluir
  5. fala sério! bom demais! A riqueza de detalhes... adorei a parte das sobrancelhas pedindo socorro... dos poderes de grayscull e do método míssil! E os exercícios catando latinha?? ahahahah excelente ! Ficou ótimo com o vídeo direto no blog. quero mais ! ;-)

    ResponderExcluir